terça-feira, 22 de outubro de 2019

"Depravado", "promíscuo": Deputado do PSL ataca cartunista Laerte por charge com a figura de Bolsonaro

Este é o nível da escória política eleita pelo partido do Jair Bolsonaro, o meme que virou presidente, essa fraquejada da democracia!

Nossa solidariedade à cartunista Laerte Coutinho e o total repúdio ao deputado estadual Frederico d´Avila (PSL-SP), este canalha, desqualificado, preconceituoso e homofóbico que precisa ser denunciado!

"Cartunista depravado e promíscuo"? "Uso contumaz de entorpecentes"? E essas hashtags #depravaçãototal #promiscuidade #depravado #drogados #drogas #entorpecentes #laerte #cartunista???

Esse capachão do boçalnarismo quer fazer média com a milícia virtual e com o mito dos bolsotários, marcando #bolsonaro #jairbolsonaro #presidentebolsonaro #meioambiente #deputadofredericodavila

É típico desse triste período em que a arte e a cultura são atacadas por seres obtusos, saudosos da ditadura, da censura e da tortura como métodos de dominação política e ideológica. Precisamos reagir!

Um bom diagnóstico do boçalnarismo


segunda-feira, 21 de outubro de 2019

Começou a contagem regressiva... #ForaBolsonaro



O boçalnarismo está implodindo - nem foi necessário que o Delegado Waldir, eleito o mais recente vilão dos bolsominions e líder do PSL, o partido do presidente Jair Bolsonaro, cumprisse a ameaça e divulgasse a gravação bombástica e comprometedora que afirmou possuir.

A briga por poder, vaidade e dinheiro público atinge proporções incontornáveis dentro do bolsonarismo. A oposição, ainda perdida e fragmentada, nem precisa atuar. Os governistas estão caindo por conta própria. O duelo verbal entre Joice Hasselmann e Eduardo Bolsonaro agitou o fim-de-semana. Assista.

*****

Aviso aos navegantes: A besta que cuida das redes sociais do presidente Jair Bolsonaro bloqueou o #Suprapartidário no Twitter e no Facebook.

Com isso, limita o nosso acesso às informações do governo e nos obriga a atuar como um legítimo boçalnarista, usando perfil fake para ler e comentar as postagens.

Ok, não faz tanta diferença assim. E ponto para nós que incomodamos...

Mas sabe qual o motivo? É que o jogo virou, a balança começou a pender para o outro lado, a biruta do bolsonarismo aponta que o vento passou a soprar na direção contrária.

Há dez meses, qualquer crítica ou comentário que postássemos nas publicações de Bolsonaro recebia uma enxurrada de ataques. Era 100% de apoio ao presidente da legião bolsonarista.

De um tempo para cá essa proporção foi se equiparando até que, neste fim-de-semana, no auge da crise interna do boçalnarismo, com o PSL completamente dividido e enquanto Eduardo BolsonaroCarlos Bolsonaro e Joice Hasselmann se atacam em lives, com ofensas e emojis de porquinhos, viadinhos e ratinhos, o repúdio superou o apoio.

Sinal dos tempos!

Nem tudo está perdido!

É o princípio do fim!

Começou a contagem regressiva...

#ForaBolsonaro


quinta-feira, 17 de outubro de 2019

Ei, psiu, eleitor bolsonarista, um minutinho da sua atenção, por favor!

Vocês estão acompanhando a guerra deflagrada dentro do PSL do presidente Jair Messias Bolsonaro? O que dizer das gravações de conversas e xingamentos entre os próprios bolsonaristas? Das puxadas de tapete para troca de líderes? Do envolvimento direto do presidente - e da derrota sofrida - na tentativa de impor o nome do filho Eduardo Bolsonaro para liderar o partido?

E a destituição dele e do irmão Flavio Bolsonaro do controle do PSL em São Paulo e no Rio, respectivamente? E da queda da deputada Joice Hasselmann, que sonhava em ser candidata a prefeita de São Paulo com apoio do Bolsonaro e perdeu a confiança dele até para ser líder do governo no Congresso!?

E a declaração do líder do PSL na Câmara dos Deputados, Delegado Waldir, de que Bolsonaro é um “vagabundo” e existiria uma gravação bombástica com poder de implodir o bolsonarismo e o governo???

E a nomeação dos novos líderes no Senado e do Congresso, ambos do MDB, oriundos dos governos do PT e do Temer, além de serem suspeitos de escândalos na Lava Jato???

E a deputada Janaína Paschoal, convidada a trocar o PSL pelo PSD de Gilberto Kassab e do pré-candidato à Prefeitura de São Paulo, Andrea Matarazzo???

Tudo isso num só dia, neste emblemático 17 de outubro (só pra lembrar ironicamente o 17 que a maioria do eleitorado votou na urna há um ano)...

E aí? Vão botar a culpa em quem, agora? Não é coisa de petista, nem de comunista, não é coisa de tucano, nem de “isentão”... A briga toda é interna, dentro do próprio governo e do partido do presidente! O que dizer disso tudo???

Apertem os cintos! O boçalnarismo implodiu!

Corram que os bolsotários vem aí! Apertem os cintos e afrouxem as correias da camisa de força!

Não sabemos se tratamos como piada ou caso de polícia, se chamamos um psiquiatra ou o exorcista.

Mas o fato é que a casa caiu! O bolsonarismo implodiu!

"Estou aqui há 24 horas e ninguém me ofereceu ainda um cigarro de maconha e nenhuma menina introduziu um crucifixo na vagina", disse a ministra doiDamares no fim-de-semana, num desses eventos de boçais, fanáticos e lunáticos.

Isso mostra que a droga dessa turma é bem mais pesada. Só não entendemos por que tanta fixação pelo que entra ou sai da genitália alheia. É inacreditável como esses pseudo-conservadores só pensam naquilo!

É preocupação com tamanho do pinto de japonês, é vídeo postado com "golden shower", é fake news com mamadeira de piroca, é controle de quantas vezes o sujeito deve ir ao banheiro...

A realidade do boçalnarismo desafia o bom senso, o humor e a criatividade do José Simão, do Sensacionalista, do Gregório e do Adnet juntos. Não tem Zorra, Praça, Porta dos Fundos ou Escolinha que chegue ao nível do absurdo dessas fraquejadas da democracia. Basta seguir os bolsonaristas nas redes sociais. Tem risada, notícia, constrangimento e vergonha alheia garantidos.

Como o PSL, agora, que ao anunciar a troca da sua liderança na Câmara (com mais assinaturas do que deputados), subverteu até o ditado popular: não trocaram seis por meia dúzia, mas um "treze" pelo "03". Delegado Waldir por Eduardo Bolsonaro. Qual a diferença? É tudo doido, maluco, biruta, louco de pedra.

Está aí o Major Olímpio, líder do PSL no Senado, que não nos deixa mentir ao sugerir que o presidente interne algum dos zeros-filhos no hospício.

Chama a polícia! É o que fez o próprio Bolsonaro, inquilino do PSL e do Planalto, para resolver sua pendenga com o dono da sigla e da bufunfa partidária: botou a Polícia Federal para perseguir o agora desafeto Luciano Bivar. Vai pra Cuba! Vai pra Venezuela! Fidel, Chaves e Maduro morreriam de inveja do nosso protótipo de ditador, o mito dos micos, o meme que virou presidente. Brasil acima de tudo! Bolsonaro acima de todos!

Quer mais boçalidade, insanidade e vergonha alheia? Tem para todos os gostos! Essa aí de baixo é uma discussão no twitter ocorrida nesta madrugada, entre a deputada federal Joice Hasselmann, líder do governo no Congresso, e o deputado estadual Douglas Garcia, ambos do PSL de São Paulo e que enchem a boca para se dizerem bolsonaristas, conservadores de direita e representantes da "nova política". Argh!

quarta-feira, 16 de outubro de 2019

Médicos Sem Fronteiras no #ProgramaDiferente



No Dia do Médico, neste 18 de outubro, o #ProgramaDiferente celebra a medicina, uma das profissões mais nobres, solidárias e fraternas do mundo, e seus dedicados profissionais que salvam vidas. Há 20 anos, em 1999, o Nobel da Paz era entregue aos Médicos sem Fronteiras.

Como funciona o trabalho dessa organização? Quem são os médicos voluntários que atuam por um mundo melhor? Conheça brasileiros e cidadãos de diversos países que se mobilizam por causas humanitárias. Assista.

terça-feira, 15 de outubro de 2019

Ei, o que você acha do encontro de lunáticos que foi pago com o seu, o meu, o nosso dinheiro?

Neste último fim de semana aconteceu a primeira edição brasileira da tradicional conferência conservadora dos Estados Unidos, a Conservative Political Action Conference (CPAC), reunindo fanáticos da direita mais retrógrada e lunáticos com os mais variados graus de insanidade e repulsa à democracia. Quatro ministros bolsonaristas foram palestrantes.

O evento para mais de 1.500 pessoas teve como protagonista Eduardo Bolsonaro, filho 03 do presidente, candidato a embaixador do Brasil nos Estados Unidos e nas horas vagas deputado federal pelo PSL. Tudo foi bancado com dinheiro público oriundo do fundo partidário - pela legenda que ele, o irmão Flávio e o próprio pai Jair Bolsonaro pretendem abandonar.

Vem cá, com sinceridade, o que você acha disso? Dinheiro meu, seu, nosso, deveria ser gasto para bancar uma conferência política dessas, seja de direita ou de esquerda? Quem tanto criticava os métodos do PT e dos partidos-satélites dos governos Lula e Dilma, pode agora reproduzir impunemente as mesmas práticas condenáveis com Bolsonaro

Os custos do evento, estimados pela própria organização entre R$ 800 mil e R$ 1 milhão, foram bancados exclusivamente com dinheiro dos cofres públicos pelo Instituto de Inovação e Governança (Indigo), a fundação partidária do PSL, presidida por Sérgio Bivar, filho do atual presidente nacional do PSL, Luciano Bivar, e que segundo Bolsonaro está "meio queimado" devido a escândalos partidários.

Mas, enfim, nenhum bolsonarista (raiz ou nutella) vai se indignar com isso? "Ah! Mas o PT também fazia e vocês não falavam nada...".

Pera lá! Criticamos cada ato impróprio dos petistas, a participação no Foro de São Paulo, o fisiologismo, a corrupção, os ataques à imprensa, as reuniões de blogueiros aliados patrocinados com verba pública - tudo aquilo que o bolsonarismo repete agora na mão inversa, espelhando à direita os erros da esquerda.

E você, vai passar pano para disfarçar a sujeira? "Isentão!"

Como foi o encontro dos conservadores?

O repórter Guilherme Caetano, do jornal O Globo e da Revista Época, assistiu ao evento e faz um relato precioso de tudo o que aconteceu em tópicos, que reproduzimos a seguir. Vale a leitura, item por item:

Estive nesta sexta e sábado na conferência conservadora CPAC Brasil. Teve comparação da esquerda ao nazismo, palestras de revisionismo histórico e um público muito orgulhoso de ter se descoberto conservador. Conto mais curiosidades abaixo.

Vou começar pelo geralzão. O CPAC é um megaevento feito desde 1973 nos EUA. Lá, esse evento tem muita presença da indústria armamentista. Como esse mercado quase inexiste no Brasil, eu diria que esse espaço foi ocupado pelo culto à monarquia. (o "príncipe" Dom Bertrand palestrou).

A programação teve muitos ministros (quatro deles), deputados do PSL e celebridades da direita (Bene Barbosa, Bernardo Küster, Rafael Nogueira). Os blogueiros pró-governo tinham quase livre acesso a tudo. Em crise com Bolsonaro, o presidente do PSL Bivar cancelou presença.

Eduardo Bolsonaro fez uma breve coletiva de imprensa, dando bastante espaço para os blogueiros pró-governo. O repórter da Agência Estado foi hostilizado ("retardado!") e não conseguiu terminar a pergunta. A Patricia Campos Mello (da Folha) também foi xingada aos berros.

Os ataques à imprensa não foram só detalhe para um jornalista que estava lá, como eu. Teve vaias e xingamentos do público a toda menção à imprensa profissional e vários jornalistas foram ridicularizados durante as palestras, com destaque para Guga Chacra e Reinaldo Azevedo.

O ministro Ernesto Araújo fez críticas à ONU (disse que a ONU não faz nada pela crise humanitária na Venezuela, enquanto recebe a "bem alimentada" Greta Thunberg) e criticou até Voltaire (falou que o francês "quis lacrar" ao desrespeitar a monarquia).

Com a voz embargada, Araújo disse "eu nem sabia que um dia estaria aqui falando com os senhores. Eu nem sabia que era conservador" e foi aplaudido imediatamente. "Totalitarismo é o contrário de conservadorismo. Todos os totalitarismos, portanto, são de esquerda", filosofou.

Ele também soltou essa: "Falando nessa menina Greta, recebi uma foto de uma menina venezuelana que tem 14 anos e pesa 14 quilos. Já a Greta é bem alimentada, bem nutrida e bem recebida pela ONU, a mesma ONU que não faz nada por essa menina. Eu é que pergunto: how dare you?"

O ministro Onix Lorenzoni chorou duas vezes. Disse: “Temos de tentar nos unir superando divergências. Pelo amor de Deus, temos a chance de nossas vidas. Para nunca mais permitir que essa gente [a esquerda] volte e faça o que eles fizeram”.

Elevado a autoridade ambiental, o herdeiro da família real brasileira Dom Bertrand partiu para cima do Sínodo para a Amazônia. Rechaçou o aumento do desmatamento e denunciou os "maus católicos que estão querendo desviar nossa Santa Igreja Católica".

O Sínodo, para ele, "é um pretexto para levar a agenda vermelha para dentro da Igreja". Disse que o cardeal Claudio Hummes, relator-geral do Sínodo, é a ameaça e quer desvirtuar a Igreja Católica, de uma "esquerda católica, que de católica não tem nada e de esquerda tem muito".

Dom Betrand afirmou que "não há crise na Amazônia, mas uma ofensiva contra a nossa soberania" e que "nunca houve genocídio indígena no Brasil". De quebra, disse que não existe caça e pesca predatórias na Amazônia e que a floresta está "97% intacta".

Mas nada se comparou à ministra Damares Alves. Com uma oratória habilidosa, ela levou o público ao êxtase. Ela disse frases bem fortes, algumas das quais eu não consegui colocar na reportagem (vou falar abaixo). Ela foi a mais aplaudida e todo o evento.

Frase dela: "Estou há quase 24 horas com este público, a maioria jovem, e ninguém me ofereceu um cigarro de maconha e nenhuma menina enfiou um crucifixo na vagina". Entre aplausos frequentes, ela comparou a esquerda ao diabo e insuflou a direita a se organizar contra o mal.

Mais Damares: "Para a tristeza da esquerda nunca se defendeu tanto direitos humanos como hoje no Brasil. O presidente machista só neste ano já sancionou seis leis de proteção à mulher. Chora, esquerda! Aceita que dói menos."

Falando sobre o que disse ser um domínio da esquerda sobre a vontade dos povos indígenas, ela arrancou gritos de "Fora, Raoni": "Tupã ouviu o choro dos curumins e disse: chega! E então elegemos Jair Bolsonaro. A eleição dele interrompeu um ciclo de sofrimento e dor neste país"

O último a palestrar foi o ministro Abraham Weintraub. Ele relacionou a Marilena Chauí, filósofa de esquerda, ao nazismo e comparou FHC à Aids. Aliás, não faltaram alusões à Alemanha de Adolf Hitler na palestra.

Weintraub comparou os que não combatem discursos de esquerda como os de Chauí aos "isentões como Arthur Chamberlain". Ele se referia ao político britânico conhecido por sua política externa de apaziguamento, que teria facilitado a anexação da Checoslováquia por Adolf Hitler.

Por fim, Weintraub disse que, assim como a Aids ataca o sistema imunológico, FHC abriu caminho para a eleição de Lula. "Então você tem a doença oportunista e você tem a Aids. Quem enfraqueceu nosso organismo foi justamente Fernando Henrique".

Fora as palestras, que tiveram a participação de vários conferencistas americanos ligados ao movimento conservador de lá, não houve grandes atrações. Alguns estandes de camisetas e livros e só. No fim da noite, Eduardo Bolsonaro confirmou a 2ª edição do CPAC Brasil em 2020.

segunda-feira, 14 de outubro de 2019

Um passo em frente, dois passos atrás... Até quando?

Não é possível que a maioria do eleitorado brasileiro esteja contente por ter colocado Jair Bolsonaro e sua trupe na Presidência da República, há um ano, com os 49 milhões de votos dados no 1º turno em 7 de outubro e os 57 milhões de votos no 2º turno em 28 de outubro de 2018. Ah! Essa nossa jovem democracia e a dor do crescimento... Quantos já estarão arrependidos?

Aonde estão as reformas prometidas? Cadê as novas práticas e as mudanças tão propagandeadas? Onde está o crescimento econômico, a redução das desigualdades, a meritocracia, o enxugamento estatal e a eficiência da máquina pública? Qual vantagem teve, afinal, o povão que digitou o número 17 para transformar o nanico PSL no "PT da direita"? (Brasil acima de tudo. Recall acima de todos!)

A rejeição ao petismo e aos mecanismos da política vigente eram esperados nas urnas, mas o resultado da resposta encontrada parece ter simplesmente agravado o problema. O bolsonarismo repete o que existia de pior no petismo, apenas na mão inversa, na direção trocada. Será que o Brasil precisava passar por tudo isso outra vez?

Venderam um governo liberal na economia e conservador nos costumes, com um ministério enxuto formado por especialistas. Entregaram uma administração capenga, atrasada, intervencionista, com um bando de ineptos e aparvalhados. Em vez de governar para todos, optam pelo acirramento da polarização, pelo confronto interminável e pelo isolacionismo em bolhas ideológicas.

Pegue cada discurso, cada crítica, cada ataque bolsonarista na campanha eleitoral, junte com cada reação petista, cada argumento, cada justificativa do PT então no governo, e inverta os papéis: passe a usar as mesmas críticas feitas antes pela direita, agora contra o próprio governo Bolsonaro, e por outro lado compare a atual defesa governista com a retórica esquerdista de Lula, Dilma ou mesmo do período Temer, o "golpista". É tudo igual! Os fatos a até muitos dos personagens se repetem! Tudo farinha do mesmo saco!

O que prometeram na campanha não cumprem no exercício do mandato. Pior, reproduzem as mesmas práticas condenáveis, as mesmas desculpas esfarrapadas, os mesmos métodos fisiológicos, a cooptação de apoio, o loteamento de cargos, a distribuição de verbas públicas, o patrulhamento da mídia, a blindagem das ilegalidades em acordos espúrios entre os poderes.

Quem se dá bem no Brasil com o meme que virou presidente - cópia bizarra do modelo americano - não são simplesmente fanáticos de direita, mas lunáticos de direita. Não são apenas conservadores, retrógrados, reacionários. São obsoletos, anacrônicos, antigos, passadistas, preconceituosos, intolerantes, regressistas, caducos, decrépitos, antiliberais, doentes.

Veja que o eleitor tinha inúmeras opções mais modernas e civilizadas para responder ao antipetismo que transbordava na sociedade desde as descobertas flagradas pela Operação Lava Jato. À direita, ao centro e mesmo à esquerda existiam alternativas menos insanas e extremadas, mais responsáveis, qualificadas e equilibradas. Porém, ao restringir a disputa a uma escolha plebiscitária entre o lulismo e o bolsonarismo, avacalharam a eleição presidencial. Perdemos a chance de avançar e vamos pagar um preço alto por essa péssima escolha.

Os mais radicais de ambos os lados parecem satisfeitos ao apostar na longevidade da polarização: até porque isso, em tese, garantiria palanque, voto e um lugar supostamente cativo no 2º turno das principais disputas de 2020 e 2022. Por esse cálculo meramente eleitoreiro e pragmático, que se danem os municípios, os estados, o país! (Mas será que vale a pena vender a alma para ganhar uma eleição?)

Nós que optamos pela racionalidade, pela boa política, por um meio termo entre os extremos, pelo diálogo, pela convergência e acreditamos no que se convencionou chamar de "campo democrático" fomos derrotados em 2018 e, se persistir essa divisão e a fragmentação reinante, repetiremos a dose. Quem vai dar o primeiro passo para mudar essa situação?

Mauricio Huertas é jornalista, líder RAPS (Rede de Ação Política pela Sustentabilidade), editor do #Suprapartidário, idealizador do #CâmaraMan e apresentador do #ProgramaDiferente.

domingo, 13 de outubro de 2019

Eduardo Bolsonaro e Bia Kicis se divertem com camiseta boçalnarista homofóbica que debocha da sigla LGBT



O fritador de hambúrguer Eduardo Bolsonaro, deputado federal no laranjal do PSL nas horas vagas e candidato do papi-presidente a embaixador do Brasil nos Estados Unidos, debocha da sigla LGBT, mundialmente conhecida para se referir a lésbicas, gays, bissexuais, travestis, transexuais e transgêneros.

Gravado pela deputada federal Bia Kicis, também do PSL, faz uma provocação desnecessária e preconceituosa, vestindo uma camiseta com a versão de LGBT adaptada ao boçalnarismo: Liberty (liberdade), Guns (armas), Bolsonaro e Trump. Ambos se divertem com a "brincadeira". Dois completos idiotas, homofóbicos, ineptos e inaptos para ocuparem cargos públicos. Assista.

sexta-feira, 11 de outubro de 2019

Nossa Senhora Aparecida no #ProgramaDiferente



Neste feriado nacional de 12 de outubro, dia de Nossa Senhora Aparecida, considerada a padroeira do Brasil, relembramos o #ProgramaDiferente especial dos 300 anos do encontro da imagem da santa por pescadores no Rio Paraíba do Sul, em São Paulo. Assista.